Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em Português Correcto

Blog interactivo onde se pretende dar resposta a questões sobre o português falado e/ ou escrito

Desmentidos ou desmentimentos?

"(...)estava a ver o noticiário e ouvi um político a falar sobre um assunto relacionado com a agricultura e apanhei o seguinte:
- Estamos fartos de desmentimentos.
Não soa melhor desmentidos?"
Realmente os políticos não são grandes exemplos ao nível do uso da língua portuguesa. A palavra "desmentimento" não se encontra em nenhum dos dicionários consultados, pelo que consideramos que é um "vício de língua". O político deveria ter dito "Estamos fartos de desmentidos".

Torácico ou toráxico?

O adjectivo correcto, para designar algo relativo ao tórax, é torácico.

 

Segundo o Dicionário de Língua Portuguesa da Porto Editora, 8.ª edição, torácico é o "que é relativo ou pertencente ao tórax, ou que está situado nesta região do corpo; designativo de artérias, veias, etc., mais ou menos relacionadas com o tórax". Provém do grego thorakikós, enquanto que a palavra tórax, vem da palavra grega thorax.

 

Acrescente-se ainda que ao tórax também se dá o nome de caixa torácica.

Estado ou estádio?

«A doença encontra-se no seguinte estádio»

ou

«A doença encontra-se no seguinte estado»

 

Ambas as hipóteses são possíveis, tudo depende da continuação da frase. No primeiro caso, estamos a referir que a doença se encontra numa determinada fase de evolução; no segundo vamos descrever o estado da doença (exemplo: passageiro, grave...).

 

De referir que a palavra estádio tem sempre acentuação. Escreve-se estádio e não estadio.

Saiu à/há/a

Qual a forma correcta?

 

Saiu à vinte minutos

Saiu vinte minutos

Saiu a vinte minutos

 

A forma correcta é a do meio: Saiu há vinte minutos.

Neste caso deve ser usado o verbo haver, que aqui tem o significado de tempo decorrido.

O mesmo se aplica a expressões de carácter temporal, como:

 

Já não o vejo muito tempo.

Viu-o dois dias.

Ele chegou trinta minutos.

Anteontem ou antes de ontem?

Ambas as formas estão correctas do ponto de vista linguístico. Contudo, quando nos queremos referir rigorosamente ao dia anterior a ontem, será preferível optar pelo advérbio de tempo, anteontem. Isto porque a expressão "antes de ontem" pode não transmitir com precisão a ideia de "dia anterior a ontem".

Observe-se o exemplo:

 

«Até antes de ontem, eu julgava não saber fazer aquilo.» (=só ontem fiquei a saber fazer aquilo)

 

Concluindo, embora ambas as expressões possam ser usadas com o mesmo sentido, a forma "anteontem" traduz com mais rigor a ideia do dia anterior ao de ontem.

"À falta de" ou "há falta de"?

"À falta de melhor, envio-te este..."

ou

"Há falta de melhor, envio-te este..."

 

A forma correcta é a primeira, uma vez que a expressão "à falta de" utiliza-se para referir a ausência de alguma coisa superior ou mais adequada àquilo que pretendemos.

 

A expressão "há falta de" é usada noutros contextos, com o sentido de "existir falta de" em frases como:

 

Há falta de competências da tua parte para corresponderes ao que é pedido. (=existe falta de)

 

À falta de melhor explicação, deixo-vos ficar esta.

Com nós ou connosco?

«Vens com nós todos ao cinema?»

«Vens connosco todos ao cinema»?

 

Qual a frase correcta?

 

Vejamos a diferença entre com nós e connosco.

 

  • Com nós vem seguido de numeral ou de mesmos, próprios ou todos.
  • Connosco nunca tem palavras a seguir.

Sendo assim a frase correcta era: «Vens com nós todos ao cinema?»

 

Esta regra também se aplica a "com vós" e "convosco".

 

Exemplo: «Posso ir convosco?

«É preciso que vos sintais bem com vós próprios»

 

Fonte: Prontuário da Língua Portuguesa , Porto Editora.